Follow @ReeParra
A vida é feita de escolhas
I'm in love with you

http://oxigenio-dapalavra.tumblr.com/post/99231748061/me-diz-estou-na-escolinha-do-lado-da-sua-casa

me diz: “estou na escolinha do lado da sua casa”
eu pensei que talvez tenha sido o seu corretor ortográfico codificando
as mensagens do seu cérebro
e anseios
e (quase) tormentos
quando saio
lá está você
com seus olhos cor de floresta mundial mirando os meus
sujos de cansaço
e lápis preto

http://sereno.tumblr.com/post/99232348892/nao-se-reconhece-no-espectro-que-assiste-na-teve

sereno:

Não se reconhece no espectro que assiste na tevê da câmera de segurança. “Próximo!”, uma voz aguda e automática o recepciona: “Senhor, mais alguma coisa?”. Diz não obrigado sem tirar os olhos da tela indiscreta que o expõe. Para quem? Para a flor machucada de narciso. Entre as paredes de piso…

E que venham amores,
as dores,
as cores,
tremores,
desejos,
solfejos,
a gente
contente,
espaço
no abraço,
só eu e você.
Tickets of Cassie. (via escrevas)
Você fica mal e ninguém se importa. Você fala e ninguém escuta. Você fica em silêncio, acham estranho.
O menino Charlie.  (via enflorarme)
Será que eu vou ter que te matar pra você me ouvir? Será que eu vou ter que abrir no teu coração uma ferida pra você me ouvir? Pelo amor de deus não me ama tanto! O teu amor por mim só te glorifica, só te faz bonito. E eu? Eu? Eu sou o teu orgulho. Eu sou o teu desfile nas ruas. Eu sou você de vestido. Queria tanto que você me compreendesse. Faz silêncio. Ouve a minha loucura. Deve haver a possibilidade de alguém escutar o outro um dia. Deve haver uma palavra que uma vez dita muda o mundo. Me ouve, se não eu vou ter que te matar pra viver.
Trecho do filme Eu Sei que Vou Te Amar de Arnaldo Jabor (1986)

Poesia falha
no meio da batalha
é como uma descarregada
só resta a coronha que é o poeta

Eles tentam de um jeito ou de outro
metralhar sua própria alma
para que dos buracos pela arma feita
possam jorrar palavras

Poeta que é poeta anda armado
ele tem sempre um instrumento para usar
bem sabendo que a qualquer momento a loucura
pode fazer uma nova poesia brotar

São arma e munição
poesia, estrofe e verso
poetas com rumo, mas sem direção
tentando lançar seus misseis pelo universo

Na busca de seres sensíveis
de corações que das palavras sentem a essência
poetas buscam involuntariamente
criaturas que se encantem com suas demências.

Otávio L. Azevedo  (via utopia-r)
Sabemos bem que o pesadelo começa a partir do momento em que duas pessoas resolvem ultrapassar a faixa de amizade, tornando-a em amor. Ninguém toma jeito mesmo, a burrice é grande. Por mais que corramos o risco de estarmos pondo tudo a perder, a gente vai e faz.
zebukowski (via utopia-r)
O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade… sei lá de quê!
Florbela Espanca  (via oxigenio-dapalavra)
Cujas flores fogem o papel e tragam codinomes compostos de dores, hesito ao espelho que chora em mim mendigados sorrisos amarelos. Bendigo às palavras, por que se movem, por quem, de repente? Enquanto respirando, meus olhos comem as vírgulas em dedos frívolos e amargos. A insônia do meu ar, grita. O suor nasce em ondas dentro de mim. Com a saudade fatigada escorrendo nas veias escuras, o sangue cospe em minhas mãos um mundo que jamais conheci. Os soluços vêm em forma de verbos, lambendo os plurais em antiquados pudores descartáveis. Depois de talhada tanta gratidão que nunca senti, desculpo toda a graça em perguntas e lembranças úmidas. Vesti o sufoco do avesso, sabidos corações desnorteados. E quando a despedida afastou os ouvidos do barulho e a esquizofrenia substituiu o ceticismo da crença, o olfato gesticulou algumas emoções e o espirito se entregou em tristeza. Das coisas tristes eu sei; eu sou. E não há mais da bela melancolia do que numa alma ao relento. No raso do vazio, afogo; jogo de cabeça e engulo em goles que rasgam a garganta as borboletas que choram o retrato de uma prostração felina. O oco é a solidão. O eco da solidão é a limpeza, e a limpeza é o perdão. Deus é tão solitário quanto nós. Padeci da enfermidade de coisas efêmeras e quanto mais insistia nos laços volúveis menos abrigo encontrava nos cetins do sorriso que traz a primavera no peito e o inverno no olhar. Caí em súbita glória e desejo das coisas mais belas escrever. De não tocar hinos apenas aos vencedores consagrados, mas destacar em tons e matizes lúgubres de um preto e branco em contraste, luz e sombra, tom sobre tom porque escuro tudo é, o rufar e bater do tambor pelos mortos, os abatidos e os solitários. Sopraria nas minhas embocaduras o que de mais alto e jubiloso pudesse por eles, e gritar mundo afora que o maior impulso que a vida pode ter é o beijo de gosto estranho que queremos mas não desejamos. Sintético, definido, delineado na harmonia da cor de ser preto, branco e cinza. Um sonho preto e branco que se desenrolaria lentamente numa melodia de uma vida que um dia a morte narraria.
— Do meu relento que é vento e de medo se fez pranto - Epigrafar & Escritor de Lanchonete.  (via oxigenio-dapalavra)
Ela é um paradoxo que por vezes vai além da minha compreensão, ela é a tempestade de verão, ela é o vento fresco de uma noite de primavera.
Ela é como um feriado que você espera ansioso para comemorar,
ela é a história que te prende, com um final que você está ansioso para descobrir.
Ela é o enredo de um filme que te mantém preso ao assento até os créditos finais subirem.
Ela é a brisa que te refresca, quando você entra em uma sala fria num dia quente de verão e o calor de um cobertor em uma noite fria de inverno.
Ela é como aquela música favorita que você não consegue ouvir só uma vez. E mesmo quando você não ouve, ela fica se repetindo em sua mente.
Se ela tivesse a oportunidade de se ver, através dos meus olhos, ela ficaria descrente.
Me olharia com ceticismo, porque desconhece o quanto significa pra mim, mas é assim o modo que eu a vejo.
Então, todos os dias, eu vou lembrá-la até que ela não tenha a menor dúvida.
Todos os dias, ela me encanta de um jeito novo, meu coração nunca teve defesas contra ela.
Ela tomou posse desse espaço que antes estava vazio. E me fez querê-la mesmo que eu já estivesse descrente no amor. Foi como se eu tivesse esperado uma vida inteira por ela. Mas agora que eu a tenho vejo que cada minuto dessa espera valeu a pena.
Ela através dos meus olhos - Caio Araújo (via oxigenio-dapalavra)
THEME ©